quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Cirurgia Maxilo-Facial no Hospital S. José (Lisboa)

Apesar deste post não estar relacionado com psicologia, acho extremamente importante deixar aqui a minha experiência pós-operatória para pessoas que irão passar pela mesma situação.

Pretendo deixar o meu testemunho para perceberem como irão as coisas proceder e ao mesmo tempo deixar a minha experiência positiva e contribuir para reduzir medos que possam existir.

Fui operada no dia 28 de Julho deste ano (2011), praticamente à 3 meses. Dei entrada no serviço de maxilo-facial no dia 27, quarta-feira, e saí no dia 30, sábado.

Sou acompanhada pelo cirurgião Dr. Sérgio Sousa desde 2009 que acompanhou o meu processo ortodôntico (que está a ser feito na clínica da face). Foi acompanhando o meu progresso até decidir que me encontrava em condições para a operação. Desde o momento que fui colocada na lista de espera, que era de 6 meses, demorou 4 meses até ser chamada.

Apesar de não conter imagens para colocar aqui, posso garantir que o meu caso era extremamente complicado, não por ter uma face muito desarmoniosa (porque não se notava quase nada) mas porque tinha os meus dentes extremamente tortos.

A equipa de enfermagem do serviço foi impecável comigo, do princípio ao fim.

A operação decorreu com sucesso, demorou cerca de 4 horas. O acordar é bastante sonolento e ficamos assim pelo menos até ao dia seguinte, por causa da anestesia.
Fiquei surpreendida com o que aconteceu a seguir, apesar de ser normal (segundo os enfermeiros), com as náuseas e o vómito de sangue, que resulta da ingestão de sangue durante a operação.
A cara ficou enorme, super inchada, mas nunca tive qualquer tipo de dores graças aos analgésicos e antibióticos que nos administram. Três coisas são mais chatas de ultrapassar: o calor na cara, a necessidade de por gelo na cara e a obrigatoriedade de dormir sentada para ajudar a desinchar. A zona dos lábios ficam também com cortes provocados pelo facto de ser uma operação efectuada toda no interior da boca. Rapidamente desaparecem porque é-nos fornecido um creme para trata-los e não deixam qualquer marca.

A partir daqui, passamos a ingerir líquidos frios, durante um mês.

Em casa, após a operação, adormecia com a ventoinha directa na cara, punha gelo e dormi sentada durante uma semana e depois dormi alguns dias com almofadas altas. A mim, fez-me alguma confusão projectar água directamente na cara durante o banho, e por isso, punha água com as mãos e ainda tinha o cuidado de fazê-lo com água fria para ajudar a desinchar.

A boca fica com uma amplitude muito reduzida de abertura, trincar é impossível, pois não temos força para o fazer e não vale a pena forçar. A alimentação é toda à base de líquidos e fria.
Sugiro que se alimentem com variedade, carne, legumes, peixe, iogurtes... é possível que sintam fraqueza. Eu sentia alguma fadiga e sonolência porque perdemos peso muito rapidamente e é uma mudança repentina no corpo.
Também temos algumas dificuldades em falar, um pouco imperceptíveis, e custa rir porque as bochechas acompanham o movimento, mas passa!
No interior da boca está tudo inchado e com pontos, portanto, a higiene oral torna-se difícil. Aconselho a bochechar a boca e a comprar uma escova pequena para ir lavando os dentes da frente, e só assim conseguirão "entrar" entre os dentes para lavar por dentro.

Tenho cuidado com as pancadas na cara... primeiro porque nos avisam da fragilidade da estrutura facial e depois porque vai doer... encostar a cara na almofada, na primeira semana, também vai custar um pouco, mas rapidamente encontram uma forma de se acomodarem.

Na cara e no pescoço vão aparecer nódoas negras, que vai desaparecendo, tal como o inchaço. Vão sentir estas partes dormentes...
É possível que a articulação doa um pouco quando fizerem os exercícios da boca. Estes exercícios são simples... abrir e fechar a boca para voltar a abrir como antes. Neste momento ainda não abro a boca na totalidade, mas está quase de volta ao normal.

Ao fim de 3 meses quase me esqueço que fui operada... não tenho dores, não tenho cicatrizes, as gengivas estão quase saradas na totalidade, a sensibilidade voltou, a mordedura é quase normal e o resultado final está à vista.

O que quero dizer por fim é que não vale a pena ter medo. A equipa é espectacular, atenciosos e profissionais. A minha dentista diz que está feito um óptimo trabalho e quando me vejo ao espelho vejo uma dentição corrigida. Portanto, segunda a minha experiência, estar nas mãos deste equipa é estar em boas mãos.

2 comentários:

  1. Olá e Boa Tarde,

    Quero também partilhar consigo a mesma situação, mas de maneiras bem diferentes!. Para começar posso dizer-lhe que quem me operou também foi o Dr. Sérgio Sousa (Excelente Profissional e Bastante Jovem).
    Eu fui Operado no dia 30 de Dezembro de 2009 e passei a passagem de ano (2011) no Hospital São José.
    O meu Acidente foi de Bicicleta (BTT) onde fracturei a Mandíbula e aquando entrei no Hospital, perguntaram-me se tinha sido acidente de "Mota" (Isto só para ver o estado em que eu me encontrava), era Horrível.....

    Continua....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela partilha da experiência!

      Se quiseres partilhar o resto da tua história envia para nathalie.f.marques@hotmail.com e partilharei aqui no Blog!!!

      A passagem destas experiências são importantes. Nos dias anteriores à operação pesquisei na net e não encontrava nada que me pudesse ajudar a criar uma imagem daquilo que viria. Assim, deixando as nossas histórias, podemos apaziguar medos.

      Eliminar